Pular para o conteúdo principal

Um passeio pelas cavernas em Botuverá - SC

Domingo, 21 de agosto de 2011.
Compromissos familiares e responsabilidades em casa nos fizeram ficar alguns dias sem podermos desfrutar da companhia da nossa moto. E escolhemos, sem saber, um dos dias mais frios de agosto; ainda bem que o sol esteve conosco durante todo o passeio....
Saímos de casa às 08:20hs em direção a Tijucas, passando por Nova Trento e seguindo até Brusque em busca do nosso destino final: Botuverá.



 
Fonte: http://www.botuvera.com.br


Para espantar o frio e reabastecer as energias fizemos uma paradinha rápida em uma Confeitaria tradicional de Brusque.  Conseguimos acabar com a fome, mas o frio não deu trégua...


Padaria e Confeitaria Wegner
Seguimos em direção ao Centro e logo o GPS já apontava para o caminho que nos levaria a Botuverá. Mais alguns quilômetros e chegamos ao centrinho da cidade.


Prefeitura de Botuverá
Cidade incrível, muito organizada e com belas casas ao longo das estradas. Em lugar de destaque avistamos a pomposa Igreja Matriz que abrigava o evento do fim de semana na cidade: uma feira de orquídeas.  Se voltarmos pelo mesmo caminho já temos uma opção de parada...

Igreja no centro da cidade
Depois de uma breve volta pelos arredores do Centro, fomos em direção as famosas grutas de Botuverá. 





Foram doze quilômetros de estrada de chão, buracos, poeira e adivinhem? Bastante frio!!! Paciência, tínhamos que aproveitar o domingo independente do que alertou a previsão do tempo para este dia....  

Acesso as Cavernas
Chegamos ao portal do parque e mesmo antes de entrar já ficamos impressionados com a beleza do lugar, organização e limpeza. 


Estacionamento e Restaurante
Mais adiante pudemos observar a estrutura do restaurante, do estacionamento e dos quiosques para churrasco. 

Tudo isto cercado de muito verde e com uma música ambiente incomparável: a de um rio correndo bem pertinho da gente. Incrível sensação de tranquilidade. 

Moinho

Roda de água

Canaleta de água que faz a roda girar
Só um detalhe me deixou, meio chateado: a moto estava  bem empoeirada; mas o este sentimento logo deu lugar à uma certeza: rodar é o principal objetivo desta motoca!!!
Estacionamos a moto e fomos saber como faríamos para conhecer a caverna, pois esta era a meta do dia.



Detalhe: Copo de água verde para quem quiser beber água
A visita à caverna é realizada em grupos de no máximo 15 pessoas e com horário agendado. E a próxima estava marcada para as 12:20hs. Enquanto aguardávamos nosso horário fomos conhecer uma pequena queda d’água distante 400m dali.

Em direção ao Centro Administrativo
Caminho lindo e com um barulhinho de água perfeito para uma soneca!






No horário previsto estávamos no centro administrativo (onde inicia o caminho que nos leva à gruta) com mais alguns visitantes aguardando as instruções.  
Realizamos a compra do ingresso (R$ 10,00 por pessoa) e nos acomodamos em uma sala onde:
- conhecemos o guia que nos acompanharia;
- assistimos um vídeo com toda a história e tudo o que seria mostrado dentro da caverna;
- descobrimos que 790 degraus nos esperavam ,entre subidas e descidas;
- recebemos as seguintes orientações:
- as mãos devem estar livres durante o percurso para melhor locomoção;
- nada de salto alto para as mulheres;
- melhor deixar os casacos no guarda-volumes da sala, já que a temperatura da caverna é de 20°C constantes;
- o uso de capacetes de segurança é obrigatório no interior da gruta;
- e a mais triste de todas: não é permitida a entrada de máquinas fotográficas, filmadoras ou qualquer outro equipamento que registre cenas do local, tudo em nome da conservação do lugar e dos bichos que vivem lá dentro.
Depois de nos conformarmos com a notícia de que não tiraríamos nenhuma “fotinho” lá dentro, seguimos nosso trajeto. E para vocês não ficarem sem informação visual, postamos as fotos encontradas no site oficial do local. 
Subimos alguns degraus e chegamos à entrada da gruta onde já era possível sentir o calor lá de dentro....

Fonte: www.botuvera.com.br

Fonte: www.botuvera.com.br
O guia ia à nossa frente acendendo as luzes e nos mostrando os salões, cada um com um nome  diferente e inspirado nos desenhos que as espeleotemas (esculturas feitas pela água) formavam.  

Fonte: www.botuvera.com.br
Ele nos disse que esta caverna existe há muito tempo, desde quando passou por ali uma quantidade descomunal de água e deixou para trás esta obra de arte.

Subimos e descemos mais alguns degraus e o guia nos mostrava estalactites, estalagmites, travertinos e outros nomes “esquisitos” que as formações recebem dentro da gruta.

Entre as subidas e as descidas o guia juntou o grupo e apagou todas as luzes do local e conseguimos perceber a total escuridão! Incrível...

Muito difícil descrever o que sentimos lá dentro, estamos nos esforçando para fazer um registro fiel, mas as palavras são insuficientes; só mesmo vivenciando para perceber a grandeza da natureza e o poder de Deus em tantos detalhes...

O passeio durou por volta de 45 minutos e valeu cada momento. Depois de muita caminhada um almoço em buffet livre foi bem vindo. Almoçamos no próprio restaurante do parque. 


Restaurante
Excelente comida, simples, mas um sabor caseiro e principalmente, à vontade. Enquanto descansávamos um pouco, eu aproveitei para relembrar a infância e tomar um sorvete que só encontrava lá no interior de Jaragua! Eita saudade!!! 


A Dayana preferiu tentar  se esquentar para seguir viagem.
Pegamos a estrada novamente e como a volta sempre é mais rápida, chegamos logo ao Centro de Botuverá e aproveitamos para ver as orquídeas e tirar a poeira da roupa!.

Vista da Igreja para a cidade


Exposição de Orquideas
Hora de voltar pra casa!!! Antes porém, uma passada rápida por São João Batista para decidirmos se faríamos o mesmo percurso da vinda ou não. A segunda opção era passar por Angelina, mas nos informaram que seriam pelo menos 20km de estrada de chão e como já havíamos encarado muita poeira por um dia, preferimos deixar para próxima oportunidade.

Resumo:
- Distância percorrida: 293 km (ida e volta)
- Almoço: R$ 13,00 por pessoa
- Sorvete: R$ 1,50
- Café na padaria: R$ 17,00

Conclusões:
Um belíssimo passeio para quem deseja fazer um percurso com estradas de chão, muitas curvas e uma boa caminhada em meio a natureza. Perfeito para estar perto da natureza e conhecer algo diferente: uma caverna.


“...todas as fontes das grandes profundezas jorraram e as comportas do céu se abriram....”
Gen 7:11


Vídeos encontrados no Youtube de pessoas que puderam filmar dentro da caverna:





+ fotos:











Comentários

  1. Que belo passeio Jean. Espero que você aproveite as férias e depois compartilhe com seus amigos aqui do blog sua experiência..

    Parabéns pelo Post....
    Abraços
    http://campechefatosefotos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Jean,

    Show de bola, hein?! Belo passeio!!!

    O site está muito bacana!!! Parabéns e boas férias!!!

    ResponderExcluir
  3. Legal, Jean, mais um roteiro para passear! Obrigado por compartilhar estas maravilhas.

    ResponderExcluir
  4. Que lugar incrível!

    http://julianalisot.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Que Incrível o Lugar !
    Deve ter sido Maravilhoso o Passeio.

    ResponderExcluir
  6. Adorei o lugar, mas acho que não vai dar pra conhecer pois estarei sozinha no carro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por comentar!
Jean e Dayana Raduenz

Postagens mais visitadas deste blog

Férias pelo Uruguai (Rivera, Montevidéu e Chuí)

Montevidéu ou Montevideu (em castelhano: Montevideo) é a capital e maior cidade do Uruguai. É também a sede administrativa do Mercosul e a capital mais jovem da América Latina, fundada entre os anos 1724 e 1730. Localiza-se na zona sul do país, às margens do rio da Prata e é a cidade latino-americana com a maior qualidade de vida e se encontra entre as 30 cidades mais seguras do mundo. Quase a metade da população do país, ou 1,4 milhão de habitantes, mora nessa metrópole, que possui uma arquitetura charmosa e preservada, onde vale a pena andar a pé e admirar suas ruas elegantes. A cidade se encontra em uma zona geográfica que se caracteriza como a rota principal de exportação de cargas do Mercosul. Por sua vez, conta com uma baía ideal que forma o porto natural mais importante do país e o melhor da América do Sul, pela qual saem e entram as mercadorias exportadas e importadas. Os cidadãos de Montevideo são conhecidos como pessoas cultas e elegantes. (Fonte: www.wikipedia.org )

Férias em Campos do Jordão - SP

Sobre a cidade: Campos do Jordão localiza-se a 1.700 metros de altitude e pesquisas científicas acusaram a superioridade de seu clima em relação a Davos Platz, nos Alpes Suiços, bem como um teor de oxigenação e ozona superior ao de Chamonix, famosa estância francesa, pela pureza do ar. Campos do Jordão apresenta vantagem sobre as demais estâncias climáticas brasileiras: o seu clima tropical de montanha faz com que o sol esteja presente praticamente o ano todo. A luminosidade costuma atingir o seu grau máximo no inverno, quando então a temperatura chega a 5 graus negativos, embora já tenha atingido, no passado, a 18 graus abaixo de 0, em 1992. Fonte: http://www.netcampos.com Portal da Cidade de Campos do Jordão - SP Como realizamos esta viagem: Dez dias de férias. Como aproveitá-los ao máximo? Sem sombra de dúvida, dando uma esticada de moto!!! Perfeito! Mas qual seria o destino?  Minha ideia inicial era visitar  nosso país vizinho, isto mesmo, o Uruguai. Mas devido a

Dia dos Namorados em Rio dos Cedros - SC

Saímos da Grande Florianópolis, fomos até Pomerode e dormimos em Jaraguá do Sul (SC).  No dia seguinte seguimos para Pomerode, Rio dos Cedros, Timbó e voltamos para casa. Espero que gostem e se possível comentem no final do texto. Obrigado . . Depois de uma semana em Recife-PE (a trabalho) e de quase não conseguir voltar para Floripa devido às cinzas do vulcão chileno que provocaram cancelamentos de voos para Floripa-SC, cheguei em casa sexta à noite com duas horas de atraso. Uma semana sem andar de moto, estava precisando sentir o vento no rosto. Pegamos a V-Strom e fomos até Pomerode-SC, em mais um belíssimo encontro de motos oferecido pelo Dragões do Vale.  Lambreta no encontro dos Dragões do Vale A viagem foi ótima mesmo com a temperatura de 10° C. Para quem conhece esta sensação ao andar de moto, palavras são desnecessárias. Para quem não conhece, basta imaginar esta cena: coloque sua roupa mais quente (na qual não entra vento), luvas e um bom par de